News
Você está aqui: Capa » ESTUDOS/ARTIGOS » Seis pontos inegociáveis que todo cristão deve considerar para eleger seu candidato

Seis pontos inegociáveis que todo cristão deve considerar para eleger seu candidato




Pode até soar estranho para alguns, mas o conservador é alguém com o olhar lá na frente, porém, tendo como referência o passado e o presente.

Tenho impressão de que a política está se tornando um assunto mais debatido do que o futebol no Brasil, e isso é ótimo! Acredito que não apenas eu, mas várias pessoas também compartilham dessa mesma percepção. Isso é bom porque sinaliza que o brasileiro está mais preocupado com questões que afetam a sua vida de forma significativa, sendo a política o instrumento de conscientização e tomada de decisão que utilizamos para lidar com essas questões.

Apesar disso, muitas pessoas ainda cultivam a velha tradição do “voto de cabresto”, influenciadas por interesses econômicos, familiares e profissionais, mas nem sempre por ideias que realmente são boas para a maioria da população. Os cristãos de modo geral não estão livres disso, por isso minha intenção hoje é falar de alguns pontos que considero inegociáveis na hora de avaliar um candidato, mas visando o bem da maioria e segundo os princípios cristãos que são os alicerces da nossa cultura há séculos.

Em primeiro lugar, o nosso candidato precisa ser temente a Deus. É fácil entender isso, porque a Bíblia diz que “o temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo a prudência, em Provérbios 9:10. Não tem como pensar em um bom Governo ou atuação parlamentar sem sabedoria e prudência, e se elas são frutos do temor a Deus, então não há o que negociar nesse ponto.

Em segundo lugar, o nosso candidato ou candidata precisa ser conservador(a). Infelizmente a mídia criou durante os anos uma imagem distorcida sobre o conservadorismo. Muitas pessoas associam essa perspectiva, assim como o fundamentalismo, à ideia de intolerância, radicalismo e coisas ainda piores. Acontece que não é nada disso. Resumidamente, o conservador é alguém que simplesmente entende a importância dos fundamentos que deram origem às suas ideias, comportamento e cultura em geral. Ele não toma decisões e atitudes simplesmente por tomar. Não segue um fluxo sem antes pensar nas consequências, avaliando os prós e contras, por exemplo, sobre assuntos que afetam diretamente a sua vida e dos demais.

Pode até soar estranho para alguns, mas o conservador é alguém com o olhar lá na frente, porém, tendo como referência o passado e o presente. O progressista só enxergar adiante, mas se esquece do que lhe fez chegar ao presente. Então, se o conservador identifica que algo novo pode ameaçar o que foi construído de bom até então, ele não é favorável. A “evolução” nem sempre é uma evolução no aspecto humano, por assim dizer, e isso o conservador avalia muito bem.

Esse é um ponto inegociável para o cristão simplesmente porque o Evangelho de Cristo é conservador. Em 2ª Timóteo 1.13 está escrito: “Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e na caridade que há em Cristo Jesus”. O que é isso, senão conservadorismo? O próprio Cristo ao se referir às Escrituras hebraicas para fundamentar suas ações, escritas séculos antes do seu nascimento, demonstrou ser conservador, caso contrário desprezaria o Antigo Testamento. Mas ao dizer que “passará o céu e a terra, mas as minhas palavras jamais passarão”, em Mateus 24:35, o Senhor reforça o caráter conservador da sua doutrina. Isso não é rigidez, mas aprendizado diante do que a vida já ensinou.

Em terceiro, nosso candidato precisa ser contra a descriminalização do aborto e drogas, ou legalização. No primeiro caso, porque a vida é uma dádiva de Deus, considerada essencialmente humana desde a concepção. A Bíblia é explícita quanto a isso. Veja, por exemplo, Jeremias 1:5, Lucas 1:13-15 e Gálatas 1:15. No segundo, porque a liberação do uso de drogas significa favorecer a dependência química e consequentemente a destruição humana. Isso vale para todos os entorpecentes. Não há qualquer base bíblica para ser favorável a isso.

O discurso de “Estado laico” também não justifica, já que estamos falando aqui de postura ética e moral. O Estado não pode ser maior do que a fé do cristão, pois caso contrário ele está negando a fé que produz a sua ética. Daniel poderia sentar-se à mesa de Nabucodonosor e se alimentar dos seus manjares sob a justificativa de um diálogo “laico”, ou se ajoelhar diante da imagem com o mesmo pretexto, mas ao invés disso ele optou por honrar o Deus dos seus pais, e Deus fielmente também lhe honrou.

Em quarto lugar, nosso candidato deve ser contra a ideologia de gênero. Acredito que você já tem uma noção do que se trata e por isso não vou me aprofundar, mas nesse ponto aproveito apenas para dizer que ele diz respeito também ao “casamento gay”, já que uma coisa influencia a outra. A Bíblia não dá respaldo para isso, tanto por via da lógica como pelo texto, que é explícito ao dizer que “macho e fêmea os criou” um para o outro. A ciência também não respalda essa ideologia, o que apenas reforça o texto bíblico.

Em quinto, considero importante o nosso candidato ser favorável ao projeto Escola Sem Partido. A razão é muito simples: é através da sala de aula que nossas crianças, adolescentes e jovens também são doutrinados com ideologias que contrariam os princípios cristãos. A Escola Sem Partido visa combater esse tipo de coisa, evitando por meio da lei que professores utilizem a sala de aula como espaço de militância política e ideológica, aliciando os alunos para uma causa que não é da família, dos pais e etc. Por isso não tenho dúvida que é vital votar em candidatos que apóiam esse projeto.

Por último, o sexto ponto importante que o nosso candidato precisa ter é uma visão econômica mais liberal, favorecendo a iniciativa privada para diminuir o tamanho do Estado, ao invés de promover o “paternalismo estatal”. Isso vai facilitar a geração de novos empregos e consequentemente beneficiar a população em geral, gerando riquezas que poderão ser investidas nos bens fundamentais mantidos pelo Estado, como a segurança, educação, saúde e moradia.

Vejo esse último ponto como inegociável do ponto de vista bíblico também, porque ele tem a ver com liberdade individual. Diferentemente de outros regimes políticos, onde o cidadão fica cada vez mais restrito ao controle do Estado e consequentemente sujeito à sua influência moral, no país economicamente mais liberal o Governo cumpre seu papel nos serviços essenciais, mas preserva a liberdade do cidadão de poder empreender e ditar o curso moral da sua vida, sem a interferência do Estado, o que está mais compatível com a noção de livre-arbítrio da teologia cristã.

Esses pontos não esgotam tudo o que um bom candidato deve ter, mas resumem por tabela boa parte deles. A garantia de liberdade de expressão, crença, dignidade da pessoa humana, etc., está inserida no conservadorismo. O respeito às diferenças também. Mas, como já destaquei logo no início, o temor a Deus é o princípio de tudo, porque é dele que a sabedoria e a prudência garantem todo o resto.

Por Marisa Lobo – Psicóloga, especialista em Direitos Humanos e autora de livros, como “Por que as pessoas Mentem?”, “A Ideologia de Gênero na Educação” e “Famílias em Perigo”.

*O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Itinga Gospel.

Fonte: Guiame

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*